quinta-feira, 25 de julho de 2013

ROSALIND FRANKLIN RECEBE HOMENAGEM DO GOOGLE EM DOODLE


Rosalind Franklin

Rosalind Franklin foi uma biofísica britânica. Pioneira da biologia molecular que, empregando a técnica da difração dos raios-X, concluiu que o DNA tinha forma helicoidal. 


Nascimento: 25 de julho de 1920, Notting Hill, Reino Unido
Falecimento: 16 de abril de 1958, Chelsea, Kensington e Chelsea, Reino Unido
Filiação: Ellis Arthur Franklin, Muriel Frances Waley
Irmãos: Colin Franklin, Jenifer Glynn, David Franklin, Roland Franklin

ENTENDA A "HISTÓRIA"

Biografia

Contrariando o desejo dos pais, aos 15 anos ela decidiu que queria ser uma cientista. Entrou em 1938 no Newnham College, em Cambridge, graduando-se em físico-química (1941). Iniciou como pesquisadora (1942) analisando a estrutura física de materiais carbonizados utilizando raios-X. Trabalhando no British Coal Utilization Research Association, onde desenvolveu estudos fundamentais sobre as microestruturas docarbono e do grafite, base do doutorado em físico-química pela Universidade de Cambridge (1945).

Trabalhando em Paris (1947-1950), no Laboratoire Central des Services Chimiques de L'Etat, usou a técnica da difração dos raios-X para análise de materiais cristalinos. Voltando para a Inglaterra, juntou-se a equipe de biofísicos do King's College Medical Research Council (1951) e comRaymond Gosling no laboratório de biofisica do britânico Maurice Wilkins, e iniciou a aplicação de estudos com difração do raio-X para determinação da estrutura da molécula do DNA. Este trabalho permitiu ao bioquímico norte-americano James Dewey Watson e aos britânicosMaurice Wilkins e Francis Crick confirmar a dupla estrutura helicoidal da molécula do DNA, dando-lhes o Nobel de Fisiologia/Medicina (1962), sendo ela a grande injustiçada, já que o Nobel não pode ser atribuído postumamente.

Apesar das inúmeras dificuldades provocadas pelo preconceito, ela provou então ser uma cientista de primeiro nível, e mudou-se (1953) para o laboratório de cristalografia J. D. Bernal, do Birkbeck College, em Londres, onde prosseguiu com seu trabalho sobre a estrutura mosaical do vírus do tabaco. Quando iniciou sua pesquisa sobre o vírus da póliomielite (1956), ela descobriu que estava com câncer. Foi no Birkbeck Collegeaos que publicou seu último trabalho, sobre as estrutura do carvão (1958). Morreu em Londres ainda muito jovem, 37 anos, de câncer no ovário


.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

DOMINGUINHOS - BRASIL PERDE O SANFONEIRO - HOMENAGEM EM VÍDEOS MEMORÁVEIS

O cantor e sanfoneiro José Domingos de Morais, o Dominguinhos, faleceu nesta terça-feira (23), às 18h, de acordo com o último boletim oficial divulgado pelo Hospital Sírio-Libanês. O cantor lutava contra um câncer de pulmão há sete anos. Dominguinhos estava internado desde 17 de dezembro, com um quadro grave de pneumonia. No dia 13 de janeiro, a pedido da família, o músico foi transferido para o Sírio-Libanês, em São Paulo. De acordo com o boletim médico divulgado pelo hospital, ele faleceu em decorrência de complicações infecciosas e cardíacas.

O SANFONEIRO


Brasília – O sanfoneiro, compositor e cantor José Domingos de Morais, o Dominguinhos, de 72 anos, nasceu em Garanhuns, em Pernambuco, em 12 de fevereiro de 1941. No sangue, dizem os amigos, trazia o dom da música, pois seu pai, mestre Chicão, era famoso na região como tocador e afinador de foles. Ao longo da carreira, gravou 42 discos e teve como padrinho de sua carreira o rei do Baião, Luiz Gonzaga, que conheceu ainda menino, aos 8 anos.


Com os irmãos, Moraes, na sanfona, e Valdomiro, na zabumba, Dominguinhos formou o trio Os Três Pinguins e tocou em feiras e hotéis de Pernambuco. Em uma das apresentações, conheceu Luiz Gonzaga, que lhe ofereceu dinheiro e deu seu endereço no Rio de Janeiro.

Em 1954, Dominguinhos foi para o Rio de Janeiro com o pai e os irmãos. Com o endereço em mãos, visitaram Gonzaga, que entregou a Chicão uma sanfona. Passou a frequentar a casa de Gonzaga e a cena artística do Rio.


Ainda no Rio, Dominguinhos conheceu a cantora Marinez, considerada por ele a maior cantora de baião de todos os tempos; o cantor Zito Borborema e o zabumbeiro Miudinho. Com os dois últimos, criou o Trio Nordestino, que tocou em circos e rasta-pés no interior do estado.

Durante a longa carreira, de mais de 50 anos, Dominguinhos foi convidado para tocar com diversos artistas da música popular brasileira como Sivuca, Chico Buarque, Caetano Veloso, Gal Costa e Gilberto Gil.

Para Clodo Ferreira, amigo e compositor de diversas parcerias, o sanfoneiro foi um gênio musical. “Pouca gente no Brasil tem o talento de Dominguinhos. Ele é um modelo para os compositores brasileiros, principalmente os nordestinos”, diz em entrevista à Agência Brasil. Clodo lembra que Dominguinhos já tocava músicas nordestinas com seus irmãos quando conheceu Luiz Gonzaga.
Clodo conta que Querubim é a parceria mais querida que tem com Dominguinhos, que entrou de forma definitiva na música brasileira. “Ele compôs com Gilberto Gil, com Chico Buarque, Djavan. A qualquer gênero ele se adaptou muito bem. Ele foi um harmonizador avançado e criativo,” diz.

Para o maestro Marcos Farias, afilhado de batismo de Luiz Gonzaga, o sanfoneiro passou a ser o maior representante vivo da música nordestina, depois da morte do rei do Baião. “Foi ele quem botou o chapéu de couro na cabeça, a sanfona no peito e cantou com Gonzaga”, destacou em entrevista à Agência Brasil.

Farias lembra a amizade de Dominguinhos com Gonzagão. “Ele foi motorista de Gonzaga, apadrinhado dele e [participou da] maior parte dos discos de Gonzaga tocando sanfona. Quando o Gonzaga já estava nos derradeiros momentos, passou a coroa pra o Dominguinhos.”



Dominguinhos foi vencedor do Grammy Latino em 2002, com o CD Chegando de Mansinho. Entre suas músicas mais conhecidas estão Eu Só Quero um Xodó, De Volta Para o Aconchego e Isso Aqui Tá Bom Demais.

Dominguinhos teve três filhos e era separado.

Matéria Editada

Portal EBC
*Colaborou Gabriel Palma

Edição: Carolina Pimentel

terça-feira, 16 de julho de 2013

MULHER INFORMA PELO FACEBOOK QUE FOI BALEADA - ACABEI DE LEVAR UM TIRO !

Edna Célia foi socorrida por um vizinho, mas não resistiu.

Antes de morrer, mulher posta no Facebook que foi baleada

Vítima foi atingida por dois disparos quando chegava em casa. Polícia acredita que alvo seria a irmã, que ainda teme ser morta

O DIA

Edna postou mensagem antes de morrer Foto: Reprodução Internet

Espírito Santo - Uma mulher morreu baleada quando chegava em casa, em São Mateus, no Espírito Santo. Edna Célia de Oliveira, de 41 anos, postou uma mensagem no Facebook pouco antes de morrer, por volta da meia-noite de domingo.

"Acabei de levar um tiro aqui dento de casa", publicou a vítima, que em seguida pediu ajuda a um rapaz que estava próximo da residência, que fica na Quinta Avenida, no balneário de Guriri.

A reação das pessoas que visualizaram a postagem de Edna foi bem oposta. Enquanto perfis queriam uma explicação sobre o que ela publicou, outras pessoas curtiram a informação que a vítima passou pela rede social.

Edna foi executada com dois disparos de revóver calíbre 38, um atingiu o lado esquerdo do peito e outro a cabeça. A vítima ligou para um conhecido pedindo socorro. Depois, comentou em seu perfil da rede social.

Alvo seria a irmã

O rapaz que socorreu a vítima disse à polícia que um homem negro saiu da casa e entrou em um carro escuro, que estava parado em frente à residência de Edna. Em seguida, o suspeito fugiu.

Segundo a polícia, Edna morre confundida com a irmã dela, que informou à polícia que o assassino foi ao local para matá-la. O corpo de Edna será levado hoje para a cidade de Tucuruí, no Pará, onde mora a família da vítima.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

FLIP (MAIS) EDIÇÃO 2013 - FEIRA LITERÁRIA INTENACIONAL HOMENAGEIA GRACILIANO RAMOS


O EVENTO
11a. EDIÇÃO - PARATY
ABERTURA - 03/07
ENCERRAMENTO - 07/07
Site para consulta / Programação

O Homenageado:

Graciliano Ramos de Oliveira (Quebrangulo, 27 de outubro de 1892 — 20 de março de 1953, Rio de Janeiro)1 foi um romancista, cronista,contista, jornalista, político e memorialista brasileiro do século XX, mais conhecido por seu livro Vidas Secas (1938).

Feira Literária Internacional começa em Paraty
A edição 2013 da Flip homenageia Graciliano Ramos, tem show de Gilberto Gil e muita diversidade
Paraty respira os ares da Feira Literária Internacional 2013 (Flip), que estréia nesta quarta (03/07) e vai até domingo (07/07). Uma mesa literária infantil vai abrir a programação na tenda Flipinha. Na sua 11ª. edição, a Flip vai homenagear o romancista Graciliano Ramos, terá Gilberto Gil no seu show de abertura e uma programação com projeção de filmes, mesas de debates e a participação de autores renomados. A curadoria da festa é de Miguel Conde e as atividades estão concentradas na Casa de Cultura de Paraty, com ingressos a R$12. 

Batizada de FlipMais, a feira terá muita diversidade cultural desde o seu primeiro dia de realização. Na quinta, o jornalista, escritor e biógrafo Ruy Castro vai promover uma mesa de debate sobre as suas obras e, na sequência, terão palestras com José Camilo Marques Neto e com os deputados Fátima Bezerra e José Stédeli, para discutir as políticas públicas de incentivo à leitura no país. Finalizando o dia, o cantor Lobão e o jornalista André Barcinski vão bater papo com o público, sobre música, Rock e cultura popular.

Nos dias seguintes, a feira vai apresentar clássicos brasileiros em telões montados em tendas. Entre os filmes: Vidas Secas, de Nelson Pereira dos Santos e Ouvir do Rio: uma escultura sonora de Cildo Meireles, de Marcela Lordy. Um dos momentos mais esperados do evento será o espetáculo Vinícius 100: Palavra e Música, que reúne talentos como Zé Miguel Wisnik, Paula Morelenbaume e Arthur Nestrovski.

Essa edição da Flip vai convocar grupos culturais da cidade, que vão se alternar todas as noites no palco da tenda flipinha. Em pontos principais da cidade, três exposições de artistas locais vão mostrar aos turistas as artes de Paraty. Na tenda dos autores ficaram as pinturas em guache de Júlio Paraty e, quem passar pela Praça Santa Casa, vai conhecer as obras do ceramista Dalcir Ramiro, as esculturas de Patrícia Sada e de Milton Mota.

A programação ao ar livre é gratuita. Os ingressos das apresentações na Casa da Cultura custam R$12 e podem ser obtidos pelo telefone 4003-1212 e em pontos de venda na cidade. Noventa por cento dos hotéis da cidade estão com lotação máxima e turistas de todos os estados nacionais continuam chegando para acompanhar os preparativos finais da festa.